Transplante capilar x tratamento clínico: o que escolher?

A queda dos cabelos infelizmente é um mal que afeta uma parcela da população, gerando problemas também para a autoestima das pessoas. Por isso, é comum que se busque tratamento.

Nesse momento, algumas dúvidas podem surgir, especialmente quanto a que tratamento escolher. Pode-se optar por um tratamento clínico, com a medicação apropriada, ou por um transplante capilar.

Ambos possivelmente apresentarão resultados, mas cada um tem indicações específicas. Quer saber mais a respeito? Continue lendo este post.

 

Entenda a diferença entre o transplante capilar e o tratamento clínico

O transplante capilar é a colocação de cabelo em partes que estão calvas ou com uma quantidade insuficiente de fios. Geralmente este cabelo é retirado de outras áreas onde se podem localizar fios que estejam saudáveis.

Ele é indicado para pessoas que não tiveram apenas um problema de queda de cabelo, mas foram também atingidas pela calvície. Além disso, é preciso antes do procedimento, controlar a queda de cabelo.

Considere que nem todas as pessoas que possuem uma acentuada queda de cabelo ficam calvas ou apresentam uma pequena quantidade de fios em determinada área. Portanto, se você não se enquadra em nenhum dos dois casos, o mais indicado é a realização de um tratamento clínico.

 

Todas as pessoas calvas podem fazer transplante capilar?

Não necessariamente. O médico que cuida do seu caso precisa avaliar a área chamada de doadora, ou seja, aquela de onde serão retirados os fios para o transplante.

Nessa avaliação, serão verificadas a qualidade dos fios e a quantidade, pois, se a área doadora (costumam ser as regiões, posterior e lateral da cabeça) for pequena em comparação à área calva, talvez não haja fios suficientes.

 

Como é feito o transplante capilar?

O transplante pode ser feito por meio de duas técnicas distintas: o FUT e o FUE. É possível combinar ambas, o que recebe o nome de técnica híbrida. Tenha em conta que cada técnica tem suas vantagens e desvantagens.

No FUT, é retirada uma faixa de pele com os folículos da área doadora para colocação na área receptora. No FUET, tais folículos são extraídos individualmente.

O FUT costuma ter preço mais acessível, mas a recuperação pode se alongar um pouco mais. No FUET, o tratamento é mais caro, sendo possível usar folículos de diversas áreas do corpo para o transplante. A recuperação costuma ser mais rápida, pois o procedimento é pouco invasivo.

 

Quer saber se o transplante é indicado para o seu caso? Procure-nos!

O que é Tricologia?

Tricologia não é um nome tão conhecido ainda, por isso pode até acabar gerando estranheza em um primeiro momento. No entanto, está longe de ser algo recente (já era estudada desde 1902, na Inglaterra), por mais que só esteja se popularizando no país agora.

Tricologia é uma área da Dermatologia (especialidade médica voltada aos cuidados com a pele) que tem o intuito de resolver problemas capilares e do couro cabeludo. Basicamente, podemos dizer que é a ciência que estuda os cabelos.

Tratar os cabelos com cuidado vai muito além de vaidade ou preocupação com beleza e estética. Alguns distúrbios capilares podem, na verdade, ser sintomas de doenças sérias. Por isso é importante observar e estudar a saúde dos fios e do couro cabeludo.

Entre algumas dessas doenças que podem ter seus indícios manifestados através dos cabelos (em especial na queda brusca dos fios), podemos citar: anemia, anomalias na tireóide, lúpus, sífilis, entre outras.

 

Por que a tricologia é importante?

Porque, além de estudar os diversos distúrbios capilares, ela também procura encontrar soluções para problemas que afligem tantas pessoas, como a calvície, fios frágeis e quebradiços, infecções, caspa, dermatite seborreica, entre outros.

O principal problema de pacientes que buscam a tricologia é com certeza a calvície. O médico tricologista analisa a situação dele(a), vê o histórico, reconhece a causa e indica tratamentos para resolver o distúrbio.

Normalmente, as consultas dos pacientes com o médico tricologista ocorrem com os seguintes itens:

●      uma entrevista: para ter uma ideia de quando os sintomas começaram, qual é a intensidade, se mais alguém na família passa por isso, etc;

●      um exame físico:analisando os fios, o couro cabeludo e até mesmo o corpo do paciente, para obter mais informações sobre sua condição geral de saúde e como os sintomas o estão afetando internamente;

●      exames extras: dependendo dos resultados dos exames anteriores, o médico pode pedir alguns exames complementares para  detalhar ainda mais a avaliação, chegar a um diagnóstico e indicar um tratamento.

Um exame comum que os médicos tricologistas fazem é a tricoscopia, que nada mais é do que um exame do cabelo e do couro cabeludo. Além disso, também é usual que peçam um tricograma e fototricograma, que analisam o crescimento dos fios digitalmente.

 

Cuidar dos cabelos e do couro cabeludo é cuidar da saúde!

De acordo com alguns pesquisadores alemães da área de tricologia, os tampões de sebo e queratina (causados pelo excesso na produção de sebo nas glândulas sebáceas na pele) são capazes de bloquear a entrada de ativos no nosso couro cabeludo!

O que você precisa entender com essa descoberta é que ela é muito prejudicial a quem está utilizando produtos para tratar a queda ou outros problemas que precisam desses ativos.

Ir em busca da tricologia e do médico tricologista é essencial para tratar desse problema. Alguns tipos de tratamento, como o peeling do couro, a esfoliação física, o uso de shampoos de ácido Salicílico de 3% etc., podem evitar que esses tampões apareçam.

Agora que você conheceu e entendeu o que é a tricologia, assim como o porquê de ela ser tão importante para a saúde, não deixe de procurar um dermatologista especializado caso esteja sofrendo com algum dos problemas mencionados (ou outros)!

Transplante de barba

De uns anos para cá, a barba farta voltou a ser uma tendência entre os homens. Existem muitas barbearias que são especializadas em cuidar e estilizar barbas e bigodes. Um novo mercado de loções, pentes, shampoos e outros produtos se abriu graças a isso.

Além de proporcionar um visual mais estiloso e atraente, a barba também pode servir para disfarçar defeitos na pele e cicatrizes. É por isso que alguns homens ficam tão frustrados por não conseguirem deixar a barba crescer corretamente.

Felizmente existe algo chamado transplante de barba que pode ajudar quem está nessa situação. Continue lendo para saber mais sobre isso!

 

Como o transplante de barba funciona?

O transplante de barba surgiu graças ao transplante capilar, que foi criado na década de 80 para solucionar o problema da calvície. Antigamente a técnica apenas pegava os fios de trás da cabeça e colocava na área calva.

Como o resultado ficava bem artificial, as técnicas foram sendo aprimoradas e estudadas, até que nos dias atuais esse procedimento cirúrgico é utilizado e querido por diversos homens, exatamente por seu efeito natural.

Hoje em dia, o transplante de barba pode ser feito através de duas técnicas principais:

  • Strip (faixa): basicamente, uma pequena faixa de couro cabeludo é retirada para, dessa forma, serem adquiridos os fios que serão utilizados para o implante no local desejado.

 

  • FUE: em português, a sigla quer dizer “extração das unidades foliculares”. Aqui, os fios são removidos um por um e depois inseridos na área escolhida. Esta técnica é a mais utilizada e ganha cada vez mais adeptos.

 

Em alguns casos, quando a região a ser preenchida é pequena, o médico retira os fios da própria barba, normalmente da parte do pescoço.

Os fios removidos são implantados com a utilização de micro lâminas especializadas e, para o resultado ficar ainda mais natural, eles são colocados do jeito em que originalmente cresceram, ou seja, bem rentes à pele e voltados para baixo.

O procedimento cirúrgico precisa ser feito em uma clínica especializada e costuma durar por volta de seis horas.

A técnica é tão eficiente que em uma única sessão é possível transplantar até dez mil fios, o suficiente para preencher todo o rosto de um homem sem barba.

O período de recuperação é tranquilo e praticamente sem qualquer dor. Depois de uma semana, a pessoa já pode voltar aos seus hábitos normais.

 

Como são os resultados?

Diferentemente do transplante capilar direcionado à calvície, que pode demorar até um ano para mostrar seus resultados, o implante da barba leva apenas de quatro a cinco meses para que o homem consiga ver a diferença.

Para o resultado final, normalmente é necessário esperar até oito meses. Depois disso, os fios passam a ser como qualquer fio normal. Eles crescem de forma natural e você pode estilizá-los da maneira que quiser.

O transplante de barba pode significar mais do que vaidade. Ajuda quem tem a baixa autoestima, quem quer esconder cicatrizes ou marcas e até quem precisa de uma barba por motivos religiosos e culturais.